quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

É Natal...

Este é um Natal especial por diversos motivos! Um Natal onde vou voltar a sorrir, onde sei que uma "estrelinha" vai brilhar ainda mais...
Onde quer que estejas sei que vais iluminar o nosso Natal, sei que vais estar a sorrir! É talvez a única forma que temos de te voltar a dar os parabéns neste que sempre foi o teu dia! Este ano por mais que não estejas, sei que vais estar. No nosso coração estás sempre e este ano, finalmente, tivemos a coragem de voltar a unir os nossos corações. Esta é talvez a melhor prenda que poderia receber....

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Feliz

Estou Feliz, muito Feliz!
Quase com medo de estar tão Feliz...
Todos queremos ser felizes, encontrar um caminho de sorrisos e quando o encontramos e saboreamos quase que nos dá medo. No fundo é o medo de, por algum motivo, perdermos esta sensação e este sentimento que faz a vida ter muito mais sentido!
Para mim a felicidade é fruto de uma predisposição para...É o facto de estarmos receptivos a este sentimento que nos faz senti-lo e saboreá-lo de forma única. Sempre vivi momentos felizes, repletos de simplicidade, sempre quis construir uma vida de sorrisos e considero que o tenho conseguido.
Hoje estou particularmente feliz por partilhar estes meus momentos e sorrisos com alguém que merece. Com alguém, que tal como eu, não procurou a felicidade. Simplesmente desejou-a e ela apareceu! Chamaria a isto a lei da atracção. Se calhar quando desejamos muito, e com convicção, algo que merecemos, mais tarde ou mais cedo, acabo por tornar-se realidade.
Não sei se te desejei, só sei que me fazes muito feliz...

domingo, 1 de novembro de 2009

O motivo da minha ausência...

Depois de uma longa temporada a viver sozinha no meu mundo tive algum receio do que seria partilhar a minha vida e as minhas emoções...
Confesso que cheguei a ter medo....
Atingi a minha estabilidade emocional, reforcei o meu amor próprio e tinha medo que algo menos bom pudesse perturbar essa paz. Tive a oportunidade de me conhecer muito melhor nessa travessia e de saber o que realmente merecia, o que tinha para dar e o que precisava em troca.
Algumas vezes fui "acusada" de não deixar que as pessoas se aproximassem de mim e de não dar oportunidade de me conhecerem. Ao que sempre respondi: Disparate amigos, eu não quero que pessoas que não me interessam me conhecam, chamo a isso perder tempo...
Só te posso dizer que foi dos períodos de maior crescimento da minha vida e que só me fez bem...e isto serve somente para reforçar a aquela ideia de que tudo tem uma resposta. No fundo a minha resposta chegou! Por algum motivo eu quis estar sozinha, por algum motivo eu precisei de crescer...a resposta chegou quando eu menos esperava e és TÚ....
O medo de partilhar não existe, transformou-se subitamente em vontade e simplesmente porque do outro lado está alguém como tu, está alguém que merece e sabe retribuir, alguém com quem pretendo ser Feliz. Não considero que o tempo que estive sozinha fosse uma espera, mas se foi mereceu bem a pena esperar por alguém tão especial...Vou considerar que foi o tempo que precisava para arrumar as ideias para poder fazer de ti um homem ainda mais Feliz...para podermos ser Felizes!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Oito anos passaram...
É aqui que às vezes não consigo entender o tempo! Se pensar na tristeza sinto-o como se fosse ontem, se pensar na saudade fico com a sensação de que me fazes falta à uma eternidade...
Oito anos de saudade nos separam embora sinta que estás sempre próximo. Pode ser uma ilusão, mas dá-me conforto pensar que onde quer que estejas que olhas por mim...A saudade com que tive de aprender a viver e a conviver.
Aqui fica a nossa música

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Mendigar afectos...jamais Maria

Isto hoje deu uma discussão engraçada: Será que devemos insistir na companhia???!!
Hoje a Maria dizia que tinha mais uma vez ligado ao José a perguntar se queria ir beber um café. A minha resposta sai de imediato: Ouve lá miúda, mas tu és parva ou fazes-te?
Nunca percebi as pessoas que mendigam afectos. Chamem-me insensível, bruta ou qualquer outra coisa, mas, na verdade, comigo só está ou é merecedor de estar quem merece, tem interesse ou interessa. Faz-me muita impressão as pessoas que mendigam o amor, que insistem na companhia quando é mais do que óbvio que a companhia só lá está por estar ou porque não tem nada melhor para fazer. Penso que todos nós sabemos muito bem quem quer estar connosco e quem merece. Será que merece a pena insistir na companhia? Quanto a mim nunca, merece sim desfrutar de boa companhia. Como em quase tudo aplico a reciprocidade, pois só assim se colhem frutos e sorrisos...
Maria aprende que eu não duro sempre....

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Dúvidas

Os últimos dias estão repletos de dúvidas.
E quando o futuro de alguém nos é colocado nas mãos?! Sem pedirmos, sem intervenção directa, sem estarmos preparados para tomar tamanha decisão...
Todos os dias tomamos decisões, as nossas, aquelas das quais depende a nossa vida. Claro que também esta implica uma decisão minha, mas por consequência ditará o rumo da vida de outrém.
Não podemos mudar o mundo ou carregar o fardo da vida dos outros, mas viver em sociedade poderá implicar intervir da melhor maneira.
Apareceste sem pedir licença, com uma história complicada, a precisar de ajuda urgente e abri-te a porta. Aqui estás, a mudar a minha vida desde o primeiro minuto. Mas o que precisamos é de mudar a tua e descobrir o melhor caminho. Oxalá tenhamos a capacidade de escolher o melhor rumo. Penso que o mereces e acredito que vamos encontrar uma solução em que ambos possamos sorrir.
Este é só o começo da história onde prometo e me comprometo a descobrir aquilo que és e a ajudar-te em tudo o que mereceres. Desculpa se cometer algum erro, mas nunca pensei que de um momento para o outro pudesse ter em mãos a construção do caminho de um jovem de 16 anos. Decerto vamos dissipar algumas dúvidas nos próximos dias e conseguir vislumbrar um caminho bem mais risonho do que o que tiveste até hoje. Aconteça o que acontecer jamais sairemos indiferentes a este momento. Com dúvidas ou sem elas vamos viver este momento....Porque nada é por acaso ainda vamos descobrir porque é que os nossos caminhos improváveis se cruzaram!

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Não foi uma surpresa, não foi uma desilusão, foi constatar mais uma vez que nunca conhecemos os outros! Mas isso era algo que eu já sabia à muito...
São ciclos que acabam e outros que começam, são mudanças que não tinham de ser necessariamente desta forma, mas a forma não tem formula correcta para se executar, acontece. Primeiro parece que se usa o politicamente correcto e depois o tempo trata do resto. Sem qualquer desilusão que a vida já me ensinou algumas coisas. A ti desejo-te: "saudinha e sorte" que a vida continua....

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Alegremente só

Já me perguntaram algumas vezes se estar sozinha é uma opção!
Que raio de pergunta! Mas será que acham que sou algum bicho do mato?! Respondo com a maior naturalidade a esta pergunta tonta com um Não. Obviamente que ninguém está sozinho por opção, ou pelo menos eu não acredito nisso...
Estou sozinha por pura e simplesmente ainda não valeu a pena deixar de estar.
Como quase todos os humanos gostaria de ter alguém com quem partilhar as minhas alegrias ou os meus dias menos bons. Simplesmente ainda não encontrei com quem. Não que seja de uma exigência extrema ou que ache que tem de obedecer a este ou àquele requisito. Tem mesmo é de me fazer acreditar que vale a pena e isso não aconteceu.
Se me sinto triste por isso? Não, nem por isso! Não nego que um abraço às vezes me faz falta, mas sinto que nada é por acaso e que um dia vou encontrar alguém que goste tanto de sorrir quanto eu. Alguém que queira percorrer o mesmo caminho que eu. Até lá só posso dizer que todo o tempo que estive sozinha me serviu para me conhecer muito melhor, para me superar e para saber o que não quero. Um dia não vou estar sozinha e será pela opção de acreditar que vale mesmo a pena, pelo menos enquanto dura, porque enquanto dura pode sempre ser eterno....

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Conspirações à portuguesa

Esta história não tem ponta por onde se pegue. Eu que até gosto de conspirações considero que estamos a atingir o limite.
Mas o que se passa na política portuguesa? Que mais estará para acontecer? Parece que vamos ter que esperar que o Sr Cavaco Silva, após as eleições, nos levante o véu. Começa com a espionagem e já vai na demissão do assessor da presidência da República. Quando nos pedem que sejamos bons cidadãos gostávamos muito que o exemplo viesse de cima. Será pedir muito? Esperamos as cenas dos próximos capítulos deste filme de parca qualidade!

domingo, 20 de setembro de 2009

Saber viver

Confesso que ando a fazer um enorme esfoço para fazer juz à minha cor de cabelo, que como sabem é louro!!! É que concluo que um bocadinho de burrice tornava a minha vida bem mais fácil. Vou continuar a tentar. Na verdade não entender ou tentar perceber algumas coisas pode tornar a vida bem mais fácil. É o chamado saber viver!!!!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

R.I.P. Patrick

Hoje é dia de confessar que o vi o "Dirty Dancing" até a fita perder a cor.
A sala da casa dos meus pais foi muitas vezes palco de coreografias. Não fosse eu a miss descoordenação acho que teria conseguido, ou então foi mesmo por não ter um par à altura.
A verdade é que a história e o próprio do Patrick fizeram suspirar as adolescentes de todo o mundo. E por mais que possam achar que o filme é piroso eu continuo a achar que é uma bela história, recheada de belas coreografias. É daquelas histórias de final feliz que muitas vezes esperamos que nos aconteçam. No fundo gostei e gosto. Não me canso de cantarolar as músicas e confesso que sonho um dia encontrar um par que me faça cumprir o meu sonho de adolescente: dançar a coreografia final!
Bye Patrick, irás concerteza fazer sonhar para qualquer outro lugar, se um dia eu chegar ai ainda sem saber a coreografia espero que tenhas a paciência de me ensinar. Por agora és o "ghost" (mais um belo filme)...Descansa em paz...

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Cartas

Sabem do que tenho mesmo saudades?
De escrever uma carta, e de receber uma também....
Sempre achei que as cartas tinham uma magia especial. As cartas eternizam momentos. Eu que sou daquelas pessoas que quase nada guarda mas jamais atiraria para o lixo uma carta. Por mais que as cartas que ainda hoje guardo não façam mais sentido, outrora fizeram. Não esqueço a emoção de receber uma carta, de correr para abri-la para ver as palavras que guardava. Tenho saudades desse tempo, do tempo das letras mais ou menos bonitas que nos enchiam o coração, que por vezes nos provocavam uma lágrima, que tinham uma vida própria...Gosto de palavras, gosto de bilhetinhos. Nesta parte o avanço da tecnologia não me agrada e não me digam que receber um mail é igual a receber uma carta. Não me digam que ver uma foto guardada no computador é igual a ter uma foto em papel na mão. Há coisas que o tempo me faz ter saudades. E o que é feito das cartas de amor? Espero um dia poder escrevê-las, não sei se vou receber alguma, mas com toda a certeza irei escrever.
Porque as palavras são importantes e me fazem falta, porque talvez tenha aqui uma veia romântica que me faz gostar de cartas e estações de comboio, porque simplesmente acho que há tradições que não se deviam perder. Porque tenho pena de só receber cartas do banco, de contas para pagar e das finanças.
Quero cartas bonitas, repletas de emoção, daquelas que se guardam para sempre, atadas com uma fita de cetim, no fundo do baú. Daquelas que mesmo muito tempo depois, quando já não fazem qualquer sentido, nos fazem esboçar um sorriso ao lembrar que alguém gastou o seu tempo a imortalizar um sentimento ou um momento. Se alguém for especial, escrevam-lhe uma carta....

Castelos de areia...

Porque sonhar nunca fez mal a ninguém. Nos últimos dias rimos bastante com verdadeiras "utopias". Até hoje eram "utopias". De hoje em diante podem ser mais qualquer coisa. Bom ou mau só o tempo dirá, por enquanto é tempo de sorrir e esperar que os castelos de areia não caiam num sopro. Se cairem, novos castelos podemos erguer. É assim a capacidade de sonhar, a capacidade de com a mesma areia construir um novo castelo. Obrigado amigas pela capacidade de continuarem a sonhar e pela companhia nesta verdadeira construção de sorrisos, e quem sabe algo mais....

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Escolhas

Num confronto entre racional e irracional, entre querer e poder, entre certo e errado, entre avançar e parar, entre ser e não ser...Crescer, saber, mudar, arriscar ou ficar?!
Porque são as escolhas que tudo mudam, porque as escolhas fazem o destino. O destino com o qual vamos viver....

domingo, 6 de setembro de 2009

Delicious ambiguity

Julho de 2008,
New york, ali na zona do soho, um calor incrível, companhia inesquecível e uma grande saudade...
De loja em loja à procura de umas lembranças para os mais especiais! Nesta parte sou complicada, preciso de algo que faça sentido, por mais insignificante que seja. Ou faz sentido ou não compro mesmo nada.
Quando penso no que faz sentido penso mesmo que deveria ter comprado um "Óscar" que por lá andava. Entre as centenas de óscares, para as mais variadas categorias, havia lá um que me assentava na perfeição. Quando lá voltar, mesmo que muita coisa tenha mudado, prometo que o trago.
Com quase todos os presentes comprados faltava-me um. Numa pequena loja encontrei uma insignificância que dizia tudo. Para não me esquecer comprei em duplicado, um foi para alguém e o outro encontrei-o esta manhã lá por casa...
"I wanted a perfect ending,
Now i´ve learned, the hard way, that some stories don´t have a clear beginning, middle and end.
Life is about not knowing, having to change, taking the best of it, without knowing what´s going to happens next. Delicious ambiguity."
Gilda Radner.

Voltou para o baú.
Porque nem sempre temos finais felizes, mas podemos ter inícios e meios que bem aproveitados podem significar muito, podem fazer acreditar que enquanto dura é para sempre...saber viver cada momento de histórias que por mais ambíguas que sejam nos fizeram sorrir.
Thanks for all good moments, thanks for dancing the same music...thanks nice blue eyes! Life goes on...

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Dás-me o prazer desta dança???

Nesta noite de luar fantástica dou por mim absorvida num pensamento utópico. Dou por mim a ser guiada por uma simples e honesta vontade. Porque apesar de tudo me é permitido sonhar...
"Dás-me o prazer desta dança?"

e é a sonhar que esta noite chega ao fim....

De dentro para fora

A maturidade deu-me a capacidade de exteriorizar bem melhor as minhas emoções. Hoje sou capaz de dizer o que sinto, o que quero, o que gosto, o que não gosto. Sou muito mais honesta, conheço-me muito melhor. Sem pudor, sem medo de juízos de valor porque todos temos direito à nossa opinião e ao nosso sentir. Claro está que esta liberdade pode trazer alguns dissabores e muitas vezes soa a disparate! Não interessa! Felizmente sou bastante coerente e apesar dos muitos disparates que digo, são poucos os que faço. É engraçado perceber que não me arrependo de nada do que fiz. Posso porém confessar que me arrependo de algumas coisas que não fiz...De tudo o que disse tenho como certo que foi exactamente o que senti no momento. Certo ou errado não sei, posso só dizer que foram os meus mais honestos sentimentos....

A Lua


Sempre disse que não queria ir à Lua! Neste preciso momento mudei de ideias. Depois de olhar a fantástica Lua cheia que hoje ilumina o céu, apetece-me dizer: eu quero ir à Lua, quero tocar-lhe, quero que me ilumine. Alguém me leva lá????

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Estar....

Mesmo não sendo de todo justo, acaba por acontecer! Sou humana e longe de ser perfeita!
É a velha história de que por uns pagam os outros. Não tento sequer que não aconteça, acaba por ser uma defesa, por mais que possa questionar se é certo ou errado. Certo é que já dei para o peditório. Tenho uma paciência imensa, quantas vezes estiquei a corda, quantas vezes aturei o que nem sequer me era direccionado?! Inúmeras! Hoje aprendi o que à muito deveria ter aprendido: a pensar em mim. Muitas vezes aturei aquilo que mais me perturba: oscilações de comportamento e humor sem justificação.
Todos as temos, mas há limites: os limites do razoável. Muitas pessoas esqueceram-se do que é ter um comportamento linear. Oscilam conforme o vento, sem explicação ou razão. Hoje querem, amanham não querem para, no entretanto, voltarem a querer! Hoje amam a vida, amanhã mudariam tudo. Hoje fazemos parte da sua vida, amanhã logo se vê!

Preciso de sentir segurança nos comportamentos. Preciso, mesmo sabendo que tudo pode mudar, de sentir honestidade e querer, só isso me faz ficar!
Hoje tenho consciência de que qualquer comportamento menos linear, qualquer atitude que não me transmita segurança me faz afastar. Quero estar com quem quer estar, quero estar com quem me faça sorrir. Jamais quero estar com quem não sabe onde quer estar ou porque está....quando estou é porque sei que quero estar!

Desabafo:)

Eu diria que hoje me podia ter apaixonado pelo menos duas vezes....:)

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Força AMIGAS...

Hoje enquanto festejava num aniversário recebi a notícia de uma morte. A lei da vida: uns nascem outros morrem.
Estranha a sensação! Principalmente quando à menos de um ano, exactamente no mesmo sítio e sentada da mesma forma, recebi da mesma pessoa uma notícia igual. O primeiro sentimento é mesmo de que às vezes a vida nos prega partidas tremendas. E de que quase me custa a acreditar que menos de um ano depois têm um choque destes.
Este é daqueles momentos em que fico sem palavras, qualquer palavra jamais aliviará a dor da perda, mas penso que a presença significa muito. Amanhã lá estarei para dar um grande abraço a duas pessoas que adoro e para quem os últimos tempos têm sido de perda.
Sem palavras... só espero que tenham muita força e que quem partiu descanse em paz.
Um grande beijo desta vossa amiga que vos ADORA e que está aqui SEMPRE....

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

The right moment

Alguém se justifica dizendo que fugiu de algo porque queria muito! Bonita contradição! Diz que a decisão assentou no facto de achar que não era o momento certo dadas as circunstâncias. Quase esboço um sorriso!! Mas que merda é essa do momento certo, isso existe?! Talvez exista, é o momento onde deixamos entrar o querer. Esse é sempre o momento certo, quando queremos muito não há alturas ou momentos errados. E quem usar a justificação de que não era o tempo certo nunca se esqueça que essa pode ser uma desculpa quase credível, mas que o tempo não volta para trás! Quando queremos não há barreira, momento ou situação que nos faça desistir!
É pena ouvir alguém dizer que teve o que mais queria na mão e deixou escapar. Pura opção, que a nossa vida faz-se de escolhas e não de momentos certos ou errados. Porque os momentos são para se viver e saborear, sem certo ou errado, sem condicionantes do passado ou do futuro. O momento certo é o presente e tudo é eterno enquanto dura! O momento certo chama-se querer e o resto vem por acréscimo....

Ai os homens...

Oh no!!!
Eu que nem sou uma rapariga preconceituosa chego hoje à conclusão de que a testosterona afecta a todos do mesmo modo...ai, ai...apetece-me dizer que neste caso foi uma pena! Que se divirta, que se perca e que no dia em que se encontre perceba o que perdeu!!!!

domingo, 30 de agosto de 2009

Ilustres desconhecidos...

Às vezes têm o hábito de me dizer que, apesar de se uma pessoa muito sociável, não dou oportunidade às pessoas de me conhecerem.
Se calhar há um pouco de verdade nisto. Eu gosto de conhecer pessoas, adoro uma boa conversa, adoro a partilha de histórias e situações e se achar que as pessoas são interessantes com toda a certeza que o faço. Aqui a questão de não deixar que as pessoas me conheçam assenta simplesmente no facto de não ter paciência para a inconstância de comportamento de ilustres desconhecidos. Honestamente a maior parte das pessoas que conheci, por algum motivo, revelaram-se constantes pela sua inconstância. Não posso dizer que tenham sido desilusões porque não tinham sequer importância para o ser, mas realmente há muita gente perdida por ai. As pessoas mudam a sua atitude de um momento para o outro sem qualquer explicação. Se fossem meus amigos com toda a certeza me preocuparia em saber o porquê, não sendo o melhor é nem perder tempo a tentar perceber coisas que se calhar nem eles sabem explicar! É por estas e por outras que costumo dizer que felizmente tenho poucos mas bons amigos. Acompanham-me à longos anos, esses são os importantes, por eles merece sempre a pena estar presente. Por ilustres desconhecidos recuso-me a gastar energia ou perder o meu tempo, até porque com toda a certeza será recíproco. Um grande abraço aos meus amigos e um obrigado a alguns conhecidos de circunstância, que na realidade se revelaram desconhecidos, e me fizeram perceber a diferença e a importância dos que realmente importam....

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Elogio

Eu gosto de estar presente quando os que merecem precisam. Quase a cair de sono fui obrigada a despertar quando alguém me disse: Amiga, esse teu sorriso não tem preço e esse teu coração é uma raridade. Confesso que foi dos maiores elogios dos últimos tempos.
Força miúdo, sem medos, luta pelo que queres e nunca desistas. Os teus receios só fazem sentido até dares o primeiro passo. Pelo amor luta-se sempre, podemos não vencer mas temos a honra de não termos desistido! Estou contigo, quero ver-te sorrir!
Obrigado pelo belo elogio e concordo contigo: um sorriso aberto e honesto é qualquer coisa de especial...é desses que precisamos!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Just to say thanks...

Bye, bye blackbird...

domingo, 23 de agosto de 2009

A soma dos dias...

Um dia de cada vez...
Como fazemos a contagem!? Será mais um dia ou menos um dia!
Eu diria que é tempo útil, e tempo é tão somente o que fazemos com ele!
Não vivo cada dia como se fosse o último, sou demasiado racional e coerente para o fazer,mas tento viver e saborear cada dia. Não sei quantos dias me reserva o destino, e acredito que todos temos um dia parar partir, mas sei que são as minhas atitudes e vontades que definem os meus dias e me permitem sonhar com novos dias!
Faz-me muita confusão ver pessoas acomodadas às situações. Resignadas com a vida e, na maior parte das vezes, presas a momentos que jamais lhes trarão qualquer felicidade. Prisioneiras de passados que, como diz a própria palavra, não deveriam constar do presente nem "minar" a construção do futuro. Acomodadas lá vão encontrando zonas de conforto, pena que não se encontrem a elas mesmas. Tenho pena dos sorrisos forçados em que tentam acreditar e da forma como teimam em enganar-se. Sonham muitas vezes que o tempo pode voltar para trás e que tudo possa ser diferente. Mas não pode, é talvez das poucas coisas que não se pode. O tempo jamais andará para trás, o passado é sempre um facto concretizado sem espaço a mudança. Em vez de se gastar tanta energia numa impossibilidade, porque não canalizá-la no sentido do momento e do que ainda está para vir. O que não tem remédio, remediado está! A nossa vida, o nosso tempo andarão sempre em direcção ao futuro, dependerá das nossas decisões e atitudes construir aquilo que achamos que merecemos e queremos. Nem sempre se cumprem os nossos desejos e vontades, nem sempre agimos em conformidade com o que desejamos, há aqui muitas variáveis. Mas tenho a certeza de que para a frente podemos fazer sempre mais. O passado tem de ficar arrumado e jamais permitirei que me estrague um novo dia onde posso ter a oportunidade de me sentir feliz. Não subestimando o meu passado, que também foi fruto das minhas decisões, quero saborear o que o presente me dá e acreditar no futuro! Não quero pensar que o passado me fez desperdiçar sequer uma oportunidade! É por isto que às vezes digo: tenho saudades do futuro, se calhar sou uma insatisfeita ou uma sonhadora, talvez! Não sei, sei que hoje não tenho vergonha de exprimir o que sinto, o que quero e o que desejo...não tenho medo do futuro!! Quero saborear cada dia até lá...

sábado, 22 de agosto de 2009

Novelas mexicanas

"A Alice viu o seu namorado chegar, depois de mais um dia de trabalho, e ficou a saber que no dia seguinte ele ia abandonar todo aquele projecto, ia sair de casa! Mas o que se terá passado, tudo parecia correr bem! Até hoje não sabe o que se passou. O Filipe saiu de casa e apenas pediu desculpa por aquela não ser a vida com que sonhava. Não se sabe se já encontrou os seus sonhos, mas os da Alice ficaram desfeitos..."

" A Sofia depois de muitos telefonemas e recusas decidiu ir encontrar-se com o seu caso clandestino. Decidida a acabar de vez com algo que sabe não querer para a sua vida. Os momentos de puro prazer jamais compensarão a falta de estabilidade emocional que este caso lhe provoca. Ela escolhe propositadamente os locais onde toma decisões. É um vício antigo! E desta vez encontraram-se em Monsanto. Foi o mote para um longa conversa onde ela lhe explicou que, com todo o respeito por quem ali trabalha, ela não é uma daquelas senhoras, e que ele a tratou como tal.
À mesma hora a mulher do dito senhor estava em casa a cuidar do filho de ambos enquanto ele fingia estar atrasado no trabalho. Até porque aos olhos de todos eles são o casal perfeito, a família feliz...."

"A Rita andou meses e meses a alimentar uma ilusão. Tinha saído de uma relação complicada e finalmente alguém a fez sorrir. Foram muitos sorrisos, muita empatia e muita vontade. Mas essa vontade não era a mesma para os dois lados. Veio a desilusão, veio o derradeiro confronto com a realidade, veio a conversa séria. A Rita teve de ouvir a dura realidade: por mais que fosse especial, jamais deixaria de ser somente a amiga. Desistiu, seguiu o seu caminho e penso que depois de uma amizade tão especial não mais voltaram a encontrar-se..."

"O Carlos descobriu que afinal a paixão da sua vida, aquela por quem sempre tudo fez, afinal não estava disposta a acompanhá-lo no seu novo percurso profissional. Primeiro estranhou, depois acabou por perceber. Um dia, contrariando todos os seus valores, deu uma espreitadela nos muitos sms do telefone da Xana. E mais parece que quem espreita onde não deve vê o que não quer. Ou deve! A verdade é que aquele amigo de sempre era muito mais amigo da Xana do que se podia prever. O Carlos seguiu a sua carreira no estrangeiro, partiu sozinho. A Xana ouvi dizer que vai agora ser mãe.

"A Ana lutou contra tudo e contra todos por um amor que sabia todos desaprovariam. Mas sempre acreditou que o amor tudo move e consegui andar com este amor em frente. Felizes, muito felizes, a família aumentou e continuaram o seu percurso. Curta esta vitória do amor. A Ana perdeu o seu grande amor, subitamente e nos seus braços. Vida injusta. Ficou a prova desse amor, a força que a faz caminhar! A vida tem de continuar mesmo quando perdemos os que mais amamos e isso é talvez a maior prova de que temos a capacidade de ultrapassar tudo o resto. A Ana continuou a sua vida e provou que o amor vence sempre que houver vontade..."

Quando achamos que alguns episódios da nossa vida mais parecem uma novela mexicana mal dobrada basta-nos olhar para o lado. As novelas mexicanas, de contornos recambolescos, não são mais do que episódios da nossa vida tão real!
Como costumo dizer: também a minha vida dava um belo argumento, e ainda bem, pois isso só prova que sou uma pessoa normal. Ilusões, desilusões, vitórias fracassos e muitas emoções. A grande diferença está na forma como conseguimos ultrapassar estas histórias. Quanto a mim, felizmente, nenhuma das minhas me fez desacreditar do quer quer que seja! Já ri, já chorei, já ganhei, já perdi, já tudo...e isso só me tornou numa melhor pessoa. Hoje, aquilo que muitas vezes me fez chorar, não é mais do que uma ténue recordação sem importância. Já muitas vezes ri da extrema importância que atribui a alguns assuntos em determinado momento. O tempo tudo muda e quase tudo resolve. No fundo os assuntos têm somente a importância que lhes atribuímos, às vezes temos de os ignorar para que deixem de ter importância. Enquanto lhes dermos importância estamos a alimentá-los, a dar-lhes vida!
Numa qualquer versão mexicana: incha, desincha e passa, que águas passadas não movem moinhos e a nossa verdadeira felicidade jamais dependerá de outrem...Mais episódios se aguardam. Por sorte até nas novelas mexicanas há finais felizes.
Se nada é por acaso cada episódio tem o seu valor e a aprendizagem, até vos contava alguns dos meus, mas corria o risco de um dia ganhar o prémio da melhor novela da América Latina. Sorriam amigos que a vida é tão melhor quando somos felizes...

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Isto não pode ser verdade!

Oh my God!!!
E se de repente numa conversa um amigo nos diz: "eu até sei porque é que estás sozinha"!!!
Até balancei!
Sabes? Venha de lá essa resposta!
Começa por me dizer que , se calhar, estou sozinha porque quero, porque não olho à volta e sou muito exigente. Talvez!(Onde é que eu já ouvi isto?!).
Mas na continuação da conversa acaba por me dizer que "eu assusto os homens". Agora quem se assustou fui eu! Mas que raio de opinião é esta. Eu assusto os homens? Isto tem de ser bem explicado!! Eu que vivo sossegada no meu canto, não ando propriamente a assustar homens com qualquer espécie de atitude.
Felizmente parece que não é nenhuma atitude minha, até porque como diz eu nunca deixo que se aproximem para lá da distância de um braço...tem piada, nunca tinha pensado nisto. Mas também não sou nenhum "bicho do mato", se não deixo aproximar é mesmo porque ainda não apareceu alguém a quem me apetecesse abraçar!A quem me apeteça reduzir amorosamente a distância do braço, é que um braço esticado também se verga com vontade!
Cada vez estou mais baralhada com esta conversa.
E lá vem a explicação, afinal não são as minhas atitudes, é o meu modo de vida e as minhas convicções. Diz-me que o facto de ser uma mulher independente, inteligente e que sabe muito bem o que não quer, não joga a meu favor. Mas como não? Afinal, modéstia a parte, isto parecem-me qualidades. Pelos vistos, segundo diz, os homens assustam-se com a minha determinação. Querem mulheres que possam proteger e que não levantem grandes questões, que possam dominar. Não querem desafios, mulheres como eu dão trabalho!
Estou em choque, de imediato lhe pergunto se essa também é a sua visão. Responde-me que não, mas que é uma excepção.
Esta conversa não deixa de me desiludir. Mas que querem os homens? Ou saberão o que querem? Eu espero que isto se venha a revelar um equívoco, não imaginava esta perspectiva. Estarão os homens tão inseguros que procuram princesas frágeis e desmioladas como forma de se sentirem úteis e capazes? Espero bem que não, porque isso vai fazer com que fique sozinha, até porque princesa não sou, desmiolada muito menos e sempre me soube desenrascar sozinha. Não precisarei com toda a certeza de um homem inseguro, Deus me livre! De nos sentirmos apoiados e protegidos todos gostamos, mas sempre numa partilha. Se estes homens existem então eu realmente assusto os homens com muito gosto!!!!
E para rematar só digo que isto não pode ser verdade, nem uma coisa, nem outra....
E claro está que acredito que todos somos diferentes, esta é uma perspectiva de alguns homens, felizmente penso que sobram os outros. Nunca gostei de preconceitos, esta foi só uma visão que respeito e acredito que exista. Acredito que no dia em que eu deixar que alguém contrarie a distância do braço será porque sei que não se vai assustar. Será porque tal como eu gosta de desafios, e ser feliz é um grande desafio!!!

É o meu tempo..

Hoje todas as pessoas estão ocupadas!
Estou numa espécie de retiro espiritual que até é agradável.
Os últimos meses da minha vida foram rodeados de gente. Algumas histórias de amores pouco felizes coincidiram no tempo e no espaço. Não a minha história, mas funcionei como elo de ligação e suporte naquele quadro. As histórias passaram à história e fizeram-se novas histórias, parecendo que só a minha história não mudou. A vida continua efervescente lá fora e eu estou feliz no meu canto. Sabe-me bem este silêncio e esta ausência de histórias e passados que não são meus. Fico feliz por saber que tive a capacidade de estar presente quando precisaram. Cedi-vos, com todo o gosto, o meu espaço e o meu tempo, agora é tempo de pensar em mim. As vossas vidas seguiram novo caminho mas concerteza as nossas vidas jamais se vão separar. Foi um ciclo de emoções fortes, de grande conhecimento, de verdadeira amizade. Um ciclo onde a tristeza de muitos momentos foi compensada pelos momentos de honestidade e convívio. Foram horas de conversa, noites com poucas horas de sono e uma cumplicidade sem precedentes. Não foi um carregar de "fardo" alheio, foi ajudar a perceber que há tanto pela frente. E pelos vistos já perceberam! Foram meses diferentes e intensos de histórias que surpreendentemente acabaram por se resolver na mesma altura. Os "tertulianos" voltaram às suas vidas mas jamais vão esquecer o que foram estes meses. Até porque as grandes lições retiram-se de momentos como estes.
Felicidades nos vossos novos caminhos!
Por aqui fico, calma e serena, quase com a sensação de missão cumprida. Se foi cumprida ou não o tempo dirá. Que foi comprida isso foi. É tempo de repor as energias e pensar também em mim.
Depois de me ter dado tanto, chega a pausa! É tempo de saborear os pequenos pormenores que me fazem sorrir...é o meu tempo!!

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Inverno

Sinto que o Verão passou num instantinho!
Foi fantástico, cheio de emoções e viagens aqui e ali! Mais um verão a chegar ao fim e já estou, quase que injustamente, a falar no passado quando ainda muitos dias estão pela frente. Adoro o verão, o sol, a boa disposição, os dias compridos, os por de sol, a liberdade e toda a magia que o sol e os dias quentes transmitem!
Hoje falo do verão quase no passado por me ter lembrado do quanto gosto de estar confortavelmente à lareira a ouvir o vento e a chuva. Depois de toda esta liberdade senti saudades do aconchego e conforto, à lareira, que só os dias de inverno trazem!! Saudades do prazer de ver o lume e sentir o calor a invadir o espaço e o corpo. Saudades de adormecer acompanhada pelo lume e sentir na alma o calor de bons momentos. Saudades de partilhar um inverno. Venha o inverno que eu já cá estou!!!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

..."you should go on dreaming"...

Porque adoro e hoje não me saiu da cabeça.....

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Ao meu leitor nº 1, PARABÉNS!

Este blog existe também por ti.
Foste o motor de arranque nesta grande aventura. És também o meu mais fiel seguidor! É giro perceber que vais acompanhando a minha vida e as minhas emoções por este espaço! Foi também aqui que te escrevi alguns (muitos) textos. Penso que sempre soubeste os que te eram dirigidos, e se às vezes tiveste dúvidas, provavelmente também alguns desses eram para ti...
Temos uma história de amizade "sui generis". Mas partilhámos momentos muito relevantes. Até quando o menino se lembrava de ligar de madrugada! Sei que fui importante para ti e tu para mim! E acho que o continuamos a ser.
Houve alturas em que tive vontade de te abraçar outras de te bater, tudo porque te Adoro!
Hoje é o teu aniversário e não podia deixar de dar-te aqui os Parabéns! Este blog existe porque apareceste na minha vida, partilhámos um oceano de sorrisos e ficou uma amizade para a vida!
Aqui o Peixinho agradece-te todos os momentos, toda a honestidade e preocupação que sempre demontraste! Obrigado por fazeres parte da minha vida e pelo ser humano extraordinário que és.
*viva la vida!!!

Quantas vezes...

Quantas vezes é a expectativa do desconhecido que nos enche a alma e nos permite sonhar?!

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

A "pirralha" cresceu



É por esta e por outras que sinto os anos a passar!!
Parece mentira mas é verdade, a minha "pirralha" começou a trabalhar. Lembro-me tão bem de receber a notícia da gravidez, de pela primeira vez lhe ter pegado ao colo, da sua saudável rebeldia. De até ter ido ao cabeleireiro fazer madeixas, às escondidas, no tempo das spice girls. Depois do seu estilo alternativo de skater!!! Todo um percurso onde sempre estive presente e recheado de boas emoções. É uma força da natureza e, como já uma vez disse, faz tanto parte da minha vida que não consigo descrever o que sinto! Só sei que este ano quando ,pela primeira vez, fez uma viagem internacional mais longa morri de saudades!
E assim a vi crescer. Hoje começou uma nova etapa da sua vida. Diria que entrou na idade adulta. A minha "pirralha" cresceu, já trabalha, vive sozinha....Parabéns pelo teu percurso e por tudo aquilo que és. Adoro-te e só não me fazes sentir "cota" porque serás sempre a "mana" mais nova para sempre! Por mais anos que passem, ao pé de ti, sinto-me fantásticamente...Good luck***

Camelo Feliz procura oásis

De tempos em tempos tenho de aturar uma louca que resolve contar-me a sua vida amorosa.
Mal olho percebo no imediato se está em fase acompanhada ou só. Quando está na fase acompanhada até que a conversa é simples: vai contado alegremente todos os seus feitos e mais parece que a sua vida é a melhor do mundo. No meio da conversa faz sempre questão de pôr a pergunta: então e tu miúda ainda estás sozinha?! Ai que nervos! Será que esta gaja no meio de toda a sua pseudo felicidade efémera quer saber de mim ou quer mesmo lembrar-me, de como ela diz, que sou uma encalhada! Nem quero saber, queria mesmo era não ser obrigada a levar com estes números de circo, onde ainda não percebi quem veste o papel de palhaço!
Enfim, hoje foi dia!
Pior que tudo é que a dita senhora está na fase só! Mais uma vez abandonada! Perdi a conta ao numero de vezes que esta cena se repete, mas também digo que se fosse homem não a aturava mais de uma semana. Pois hoje lá tive de ouvir: que não tem sorte nenhuma, que os homens são todos iguais, que são todos uma merda, blah..blah..blah....
E chega à fase em que eu pergunto: mas que mal fiz eu para ter de ouvi isto! Estou a chegar àquele limite em que só me apetece responder que até podem existir homens muito maus, mas que mulheres como ela são uma merda. Enervam-me estas gajas que não sabem estar sozinhas, que não têm uma ponta de amor próprio, que depositam sua felicidade no facto de terem alguém, que se deitam com o primeiro patife que lhes passa pela frente. Mulheres com uma falta de independência sentimental inacreditável que só fazem disparate atrás de diparate e depois se queixam como se não fossem elas a potenciar o resultado final na maior parte das vezes. Claro está que depois os homens são os culpados...
É fácil estar sozinho? Não, não acho que seja e à muito que o estou. Todos gostamos de partilhar, de nos sentirmos amados...faz parte da nossa natureza, mas procurar isso em cada esquina e fazer depender disso todo o resto, jamais!
Quando assisto a estas coisas tenho muito orgulho naquilo que sou. Tenho orgulho de sentir que todo este tempo, de travessia no deserto , sozinha, me tornou em muito melhor pessoa. Se calhar só uma espécie de camelo que sabe que toda esta travessia é só o caminho para chegar a um qualquer oásis. Sei que o hei-de encontrar e vou perceber que tudo isto valeu a pena. Sei o meu valor , o que tenho para oferecer e sei que tenho de acreditar que vale a pena.
Podem achar que já perdi tempo demais, que sou demasiado exigente ou que até desperdicei oportunidades. Não sinto isso, sinto que estes são os meus valores. Quando olho para aquela senhora, que me chama encalhada, percebo, que mesmo sem os momentos de prazer esporádicos que tem tido, eu sou muito mais feliz. Não lhe têm trazido mais do que insegurança e desespero. Ainda podia aprender, mas não. Está-lhe na natureza a queda para o drama e tragédia. Está-lhe nos genes a burrice de quem se recusa a ver um melhor caminho.
Que a senhora arranje companhia pelo menos durante uma semana, para eu não ter de a aturar, e que o camelo encalhado encontre o oásis, ou não!!!

domingo, 16 de agosto de 2009

Desculpas

Suspeito que depois de todas as conversas, surpreendentemente sérias, da semana que passou que um novo ciclo vai começar.
Nunca em toda a minha vida me zanguei à séria com ninguém, por vezes até acho isso estranho, mas é a verdade. Obviamente já me desiludi com algumas pessoas e decerto outras terão ficado desiludidas comigo. Às vezes é difícil contornar algumas divergências, até simples. Porém, ao longo da semana foram-se resolvendo alguns assuntos que estavam pendentes. Sou uma adepta do diálogo e penso que a maior parte dos problemas ou mal entendidos se resolvem com uma boa conversa. Foi o que aconteceu. Felizmente tudo se esclareceu. É com orgulho que percebo que é muito fácil pedir desculpa e que o resultado no bem estar é inacreditável. Depois acredito no retorno e na surpresa que foi alguém ter tido uma conversa séria e honesta em relação a uma má atitude de à muito. Apesar de achar que as desculpas não se pedem, mas sim evitam-se, tenho consciência de que nem sempre o conseguimos fazer. Desculpas pedidas e desculpas aceites que a vida assim é muito melhor. Não há desculpa para não pedir desculpa e nunca é tarde para o fazer...principalmente áqueles de quem gostamos!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

More than words

Não consigo viver "engasgada" com assuntos. Consomem-me energia, geram-me ansiedade e precisam de sair. Hoje foi dia de tomar essa atitude. Custou, as palavras estavam presas na garganta, cheias de garra para saltar e mais parecia que seria simplesmente um grito mudo. Ganharam forma, tom e saltaram. Como é que umas simples palavras podem fazer tanta diferença? Mas fazem!
Sinto-me bem mais leve e melhor. Sinto que simplesmente fiz o que tinha de ser feito. Sinto-me bem...

Folha a folha



Mal me quer..bem me quer...
Mal me quer..bem me quer...

...........................
E na última folha o que me calhará???

De volta em volta...

Tenho andado ausente. Muitas vezes me apeteceu escrever desenfreadamente mas sempre achei que o melhor seria não fazê-lo. Amo escrever, sinto um alívio imenso quando ponho cá para fora os meus mais profundos sentimentos e emoções. Este meu espaço funciona muitas vezes como o confessionário que me acalma.
Decidi não escrever pela confusão de sentimentos que tomou conta de mim. Podia não ser justa, ferir susceptibilidades e achei do alto da minha razoabilidade que seria melhor não o fazer.
Aqui estou eu de volta, de volta com o meu sorriso que me caracteriza, de volta para agradecer a todos os que apoiaram e preocuparam comigo. Saber isso faz-me ultrapassar qualquer situação menos boa. Tenho tudo o que preciso para ser feliz e sou, em grande parte, graças a pessoas como vocês! Graças também à maturidade que jamais trocaria por um par de anos a menos. Essa maturidade ajudou-me em muito a digerir até aquilo que não me parece coerente, lógico ou justo. Foi graças a ela que percebi que mais tarde ou mais cedo vou ter a resposta, de que nada é por acaso. Continuo os meus dias de sorriso aberto que a vida é para se viver e saborear, com a perfeita consciência do meu valor, daquilo que sou, do que preciso e do que não quero. Hoje sei que não quero, sei que as ilusões podem ser alimentadas até ao derradeiro confronto com a realidade. Momento difícil, onde tremem as pernas , mas imprescindivel...Foram dias diferentes, emoções à flor da pele, alguma ansiedade e a prova de que sou uma grande mulher. Gosto de mim pelo que sou, tenho orgulho em ter a capacidade de perceber que para a frente é sempre o caminho. A vida é feita de ciclos, aqui quebrou-se um....Venha o próximo que com este aprendi muito. Sai com orgulho de mais uma batalha que posso não ter ganho, mas ganhei muito mais do que se possa imaginar, ganhei a verdade que tanto gosto...
Obrigado AMIGOS pelo apoio...

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Modernices

Quando vi os primeiros episódios do "sexo e a cidade" ,e já passaram algns anos, lembro-me de pensar que aquilo era uma ficção muito à frente. Hoje percebo que a ficção que me parecia muito moderna e exagerada é pura e simplesmente a vida da maior parte de nós. São os tempos modernos, o desprendimento a pseudo liberdade dos que se esquecem de que a verdadeira liberdade está na consciência de cada um.... e nisto ainda sou uma clássica mas não acredito em príncipes, nem em amores à primeira vista. Acredito em bases, confiança, vontade e obviamente em duplas capazes de construir e alimentar um grande amor. Acredito no amor...

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Mudam-se os tempos....

Tenho alguma dificuldade em lidar com mudanças. Em quase tudo! Não tenho muita capacidade de reacção a mudanças súbitas, sejam de trabalho, de vida ou de humor. A maior de todas é em relação a mudanças de atitude, quando de um dia para o outro quase tudo muda. Bloqueio perante isto e ainda não consegui arranjar um mecanismo de que me permita sair ilesa. Não entendo o que tanto pode mudar, no fundo penso que a maior parte das pessoas muda conforme as circunstâncias da sua própria vida e seus intuitos. De repente mudam os hábitos e a forma de agir, quase levando os outros a questionar. Costumo questionar uma só vez, apartir dai espero que o tempo traga a resposta e costuma fazê-lo. Na maior parte das vezes chama-se egoísmo....É aquela famosa expressão: "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades" (Ou necessidades).

I will survive

Quando tinha quase a certeza de que jamais permitiria passar pelo mesmo, eis que passo. Felizmente tenho a certeza das minhas capacidades de sobrevivência e tenho como certo de que isto é só mais um desafio. Já perguntei umas quantas vezes "why me". Ainda não obtive resposta, mas suponho que me acontece porque eu ultrapasso, porque é só mais uma vez. É o Karma, cada um com o seu. Um dia vai romper-se o ciclo e vou rir muito. Ainda não é hoje, mas o dia está próximo...

The reason

EVERYTHING HAPPENS FOR A REASON, GOOD OR BAD....

Confesso II

E como o ser humano é muito insatisfeito quando finalmente sabe fica com a ideia de que se calhar era melhor não saber. Ai os humanos....
Por mais que a realidade nos custe a encaixar essa será sempre primordial na resolução. Eu gosto da verdade e sei que mais tarde ou mais cedo aprendemos a aceitá-la. Nunca nos devemos "proteger" com medo de saber a verdade. Com mais dor ou menos um dia percebemos o porquê. Devíamos muitas vezes era proteger-nos, mas nem sempre conseguimos esse domínio, e aqui falhei redondamente. Agora é tempo de lamber as feridas e aceitar que nem sempre é como queremos, desejamos ou merecemos.
Hoje sei que mais uma vez o "feeling" estava certo, agora espero que a sorte mude e um bom "feeling" apareça por ai....e acredito, que isso sim faz a diferença!
Como diz a Sara Tavares: " liberta-te dessa prisão"

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Confesso..

Confesso que se da maior parte das vezes gostava de perceber menos, desta vez gostava de perceber um pouco mais....
Ás vezes fico um bocado baralhada...um bocado grande!!!

domingo, 2 de agosto de 2009

Certo ou errado?!

Certo e errado, tantas vezes questiono a sua existência....
Principalmente quando o errado foi o mais certo, ou não! Talvez tivesse sido, talvez num outro tempo. Um erro não foi com toda a certeza, isso sei.. Foi um certo em tempo errado, foi querer e não poder, foi prometer e desejar, foi desistir para ganhar, foi deixar uma promessa no ar. Hoje dei-te os Parabéns e lembrei que falta menos um ano para a promessa utópica. Decerto jamais se realizará, ou um dia podemos perceber que do certo se pode fazer errado e vice-versa. A não esquecer o pormenor mais importante, é às 11. Certo ou errado logo se verá! Certo mesmo é que foi o melhor erro e erros destes não se apagam. Parabéns!

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Ganhar e perder

Umas vezes ganhamos outas perdemos, faz parte da vida! Claro que o prazer de ganhar é incomparável, contudo a maturidade ensinanos a digerir as derrotas. Como todos nós não gosto nada de perder, embora tenha quase a certeza de que neste momento perdi. Mas como sou da opinião de que enquanto não nos perdermos está tudo controlado sei que vou continuar o caminho. Felizmente, apesar da derrota, sei que não me perdi e que o meu amor próprio me acompanha e isso é meio caminho andado. Aliás, se calhar nem fui eu que perdi! Life goes on....

Arrumações

Hoje, passado, presente e futuro encontraram-se! Não posso dizer que foi um encontro pacífico ou prazeiroso. Foi antes um encontro necessário. Por vezes é preciso fazer esta reunião para se poder avançar. Foi um só dia, um dia de altos e baixos de onde saíram decisões que vão acompanhar dias futuros. Não será certamente o primeiro dia de nada, será somente um dia de tomada de consciência, um dia que tinha de existir, hoje foi esse dia. Um dia que vinha sendo adiado propositadamente por inconsciência, porque às vezes a realidade é dura e desilude-nos. Algum dia teria de abrir a pestana para a realidade dos factos e foi hoje! Felizmente o dia chegou ao fim! Tudo arrumado...

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Neura? Que é isso?!

Estar de férias com a minha melhor amiga é caso raro, principalmente estarmos só as duas. Mas esta semana é mesmo assim. Tem sido óptimo, horas de conversa, risota, muita praia e também se discutem assuntos sérios. Hoje foi um dia de neura com tanto assunto sério, a parvoeira tomou conta de nós. Foi assim o dia do masoquismo, ora bora lá pôr o dedo na ferida. Ui, não se pode dizer que não tenha doído mas, na verdade, nós somos fantásticas e parece que temos a capacidade de simplificar tudo, mesmo aquilo que nos magoa. É a capacidade de acreditar que tudo tem um lado positivo mesmo que à primeira vista não se dê por ele. Nem sei quantas vezes me chamou de tonta e estúpida hoje. Tem razão! Há coisas que não justificam sequer um minuto de neura. No fundo eu sou a miúda loura esperta mais estúpida das redondezas. Enfim, também não podia ser perfeita! Obrigado amiga!
E no final do dia chegámos à conclusão de que estar de neura é uma grande chatice. Credo não sei como há pessoas que convivem com ela todos os dias. Deixámos a "cabra" da neura no areal e vamos mas é beber um agradável cafezinho que tristezas não pagam dívidas, e além disso o assunto nem merece! Venha a noite que o dia da neura já se foi....

Hoje

Hoje apetecia-me tirar os pés do chão. Apetecia-me voar e largar este medo. Hoje, tal como ontem e talvez amanhã.
São as nossas decisões a determinar o desfecho e, provavelmente, este medo vai fazer-me perder. Vou ter de sofrer as consequências. Sinto que essa é a hipótese mais provável, vou perder por minha culpa, por não conseguir vencer este medo que me faz ficar como mera espectadora. Um dia vou assistir ao filme e pensar que à conta da minha inércia não fiz parte dele, ou sequer tentei ir ao casting. Nessa altura possivelmente retiro-me e nem da ficha técnica faço parte...dos fracos nunca reza a história e aqui, admito, estou a ser fraca. Deixei que a insegurança tomasse conta e nunca consegui acreditar de forma racional que pudesse concretizar-se. Fiquei nas emoções e no mundo dos sonhos, fechei-os numa caixinha dourada muito especial e não mais deixei que saltassem para fora. Talvez fiquem aprisionados estes bons sonhos e nunca se revelem. Será talvez um grande erro não deixar que saiam e se revelem, por mais inconsequentes que sejam. Tenho pensado muito nisto e tenho analisado a minha estranha capacidade de mascarar sonhos. Hoje quase que prometi que vou abandonar o medo infundado que jamais pode estar associado àquilo que são as nossas verdades, as nossas emoções! Um dia deixo-me voar e espero que seja um dia próximo. Qualquer dia tirando hoje!

(Às vezes as brilhantes conclusões chegam quando algo que seria inócuo nos perturba muito)

terça-feira, 28 de julho de 2009

O futuro não é hoje

Hoje perguntaram-me se eu imaginava a minha vida daqui a uma década. Pergunta difícil! Não faço ideia! Confesso que até me assusta pensar nisso, não quero criar expectativas que possam gerar frustrações. Óbvio que há o caminho dos meus valores, dos meus objectivos mas não faço ideia do que será sequer amanhã. Honestamente não me parece que seja possível prever o que quer que seja. Muitas coisas gostava que acontecessem, mas essencialmente considero que o mais importante é sentir-me feliz e em equilíbrio, esses são os pontos de desejo primordial. Tenho sonhos, tenho aquilo que gostava que fosse um caminho, mas outrora já sai de caminhos que me pareciam indicar o futuro.
Gosto da expectativa do desconhecido, talvez gostasse se fosse permitido levantar um bocadinho o véu. Não faço ideia, mas como digo muitas vezes: eu sou uma crente. E sei que acreditar pode ser um grande passo, pode ser o motor. Eu acredito, eu sonho, eu quero....step by step, day by day que o futuro não é hoje!

Tonteria do dia...

Não gosto de ter saudades...hoje tenho!

O tempo das coisas

Na maior parte dos casos as circunstâncias, mais do que por vezes a predisposição, determinam a possibilidade de algo acontecer ou não. Quantos vezes não fossem as circunstâncias do momento e algo podia perfeitamente tornar-se numa boa realidade. E obviamente não estou a falar de bens materiais! É timming, o tempo certo. Eu sou perita em andar sempre no tempo errado, quantas coisas teriam sido tão diferentes se acontecessem num outro tempo, em outras circunstâncias. Se não o foi provavelmente é porque não tinha de ser, mas chego a pensar que gostava que o tempo certo e as circunstâncias adequadas fizessem parte da minha vida. Não vivo revoltada com isto, mas confesso que por vezes fico triste com as chamadas "alturas erradas". Já fui vítima de umas quantas, já ficaram alguns sonhos pelo caminho, já tentei perceber porque é que acontece sempre no tempo errado. Questiono o porquê de ser comigo. Até porque mudar circuntâncias poderá estar na nossa mão, ou não! Ainda não encontrei a resposta, calculo que seja o tempo a dá-la, vou esperar. E enquanto espero pela resposta vou ver se eu e o tempo nos acertamos, se as circunstãncias um dia serão as ideais, se o vento sopra de feição. Afinal, se calhar, a resposta é simples, se calhar eu até estou no tempo certo e os outros é que não. Um dia o tempo chegará....um dia será o timming perfeito, um dia encontraremos o tempo...
Porque há o tempo e o tempo das coisas, talvez um dia se juntem e sejam simplesmente um tempo, um tempo de sorrisos...

São precisos dois para dançar o tango...

Um dia aprendo a dançar o tango....

domingo, 26 de julho de 2009

Discos pedidos

Há músicas que nos despertam recordações, remetem-nos para momentos...
Não fico agarrada a essas músicas, não as ouço para recordar, não me despertam mais que uma simples recordação, um sorriso. Já fui muito feliz a ouvir "chambao". O mundo está meio virado do avesso e há quem tenha vontades súbitas de enviar músicas na tentativa de despertar o passado. Uma espécie de "rewind" quando a música já não está no top. Há músicas que podem até parecer intemporais, mas na vida tudo tem um tempo e ouvir a música fora do tempo jamais despertará o tempo de outrora. Para sempre ficará no meu ouvido, para sempre um sorriso.
Corre o risco de se transformar numa daquelas músicas que um dia chegou ao top. É o tempo de cada coisa, e cada coisa a seu tempo. Hoje simplesmente sorrio ao som do que outrora me faria dançar de alegria, me faria correr, arriscar, amar....outros tempos, outras bandas sonoras! Não se vive de passado ou de clássicos, vive-se a projectar o futuro ao som de uma qualquer música que nos leve ao top....
Para sorrir simplesmente enquanto aguardo a música seguinte, numa espécie de discos pedidos...

Oxalá...


Se por momentos rejeitei a ideia e não me permiti aceitar a realidade, se por momentos duvidei ou quis duvidar. Hoje não posso jamais negar aquilo que se transformou num facto. Hoje sei, tenho a certeza, que se negar estarei a mentir. MesmO que o negue não deixarei de sentir. Embora saiba que há assuntos que se negam até ao fim, hoje sei que pelo menos a mim não o poderei negar. Oxalá possa um dia contar....oxalá!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Auto estrada

Quilómetros e mais quilómetros, perdi-lhes a conta. Aos quilómetros e ao dinheiro gasto em portagens ao longo da última década. Quantas vezes fico indignada com o preço praticado em relação ao péssimo serviço prestado. Obras e mais obras, redução de faixas de rodagem, piso irregular e até um acidente provocado por um animal em plena faixa de rodagem sem que os ditos senhores assumissem qualquer espécie de responsabilidade. Digo quase todos os dias que a A8 é uma vergonha, mas na verdade as alternativas são bem piores. Na última semana tenho perdido mais alguns minutos a chegar ao trabalho, e não é por causa das obras do costume, é mesmo com um problema no sistema de via verde. Essa revolução made in portugal! Tem sido a semana de parar e pagar a portagem. Sempre a torcer o nariz que o que me apetece é seguir viagem rapidamente. Hoje, já de careta feia, lá estendo o braço para entregar o ticket e qual não é o meu espanto quando vejo o simpático rapaz que me dá um boa noite. Oh God, isto deve ser uma miragem. Naquele momento perdoei todos os atrasos, obras e acidente que aquela estrada me deu. Quero aqui dar os parabéns aos recursos humanos das auto estradas do atlântico na escolha dos candidatos. Quero mesmo dizer que, se o perfil de selecção se aproximar daquele exemplar, eu jamais voltarei a usar a via verde na vida. Que bom é parar nas portagens e dar um pouco de colírio ao olhar para seguir viagem! Oh god!
Amigos, não se preocupem que não endoideci, nem tão pouco vou atacar o portageiro, foi só um desabafo! (ou não):)))

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Anjos e Demónios

Ontem, em mais uma conversa que durou até muito tarde, entre amigas cheguei à conclusão de que afinal aquela característica primordial que nos distingue dos animais parece ter caído em desuso. A tão aclamada racionalidade parece uma miragem. Foi com um enorme espanto que percebi o quanto o mundo é pequenino, surpreendente a forma como, sem dar por isso, as nossas vidas se cruzam. E foi com tristeza que percebi que a irracionalidade quase letal tomou conta de alguns. É estranho perceber o egoísmo daqueles que pensam poder ter tudo e nada perder. Triste que não percebam que do lado de lá está sempre outro, e na maior parte das vezes, é um outro que já muito deu e acabou por tudo perder. A irracionalidade faz falta, alimenta os nossos instinctos mais primários, mas quando se está do lado dos que perderam essa irracionalidade só destroi. É terrível pensar que quando se tomam decisões não se saiba o que se está a fazer. É imoral achar que se pode ter o céu e a terra e que um qualquer anjo estará lá sempre à nossa espera para quando nos lembrarmos que afinal sentimos falta das suas asas protectoras. Até os anjos têm limites e felizmente aprendem a dizer não, mesmo que isso quase os destrua. Sobrevivem e aprendem a defender-se. Todos temos o direito de decidir, pena é a forma leviana como algumas pessoas decidem coisas importantes, sem pensar, sem reflectir, em impulsos descontrolados. A uns corre bem, outros nem tanto, mas bem ou mal deveriam ter a capacidade de assumir plenamente as suas decisões e as consequências das mesmas nos outros. Confesso que quase senti pena daquele pobre demónio que trocou um anjo de asas abertas por um simples caso que só o fez tomar consciência do erro. Não abandonou o erro mas insiste em perturbar o anjo, insiste em achar que nada disto deveria ter acontecido. Que piada tem a moral de quem foi responsável, onde chega o egoísmo. Somos humanos e erramos, mas errar tanto deveria dar penalização, é aqui que acredito na justiça divina e sei que a penalização já chegou: pode não ter chegado à consciência, mas há-de senti-la na perda de alguém que tudo fez e só recebeu dor em troca. Mas se cada um tem o que merece o dia do anjo há-de chegar, nesse dia vai perceber que talvez não tenha perdido nada, talvez tenha ganho muito, talvez ganhe alguém que mereça o aconchego das suas asas....Acredito que vai ser mesmo assim, é que nem só de demónios é feito este mundo. Felicidades!

terça-feira, 21 de julho de 2009

Era uma vez...

Era uma vez...
Sempre gostei de histórias que começam assim...
Era uma vez...
Era uma vez uma simpática rapariga chamada Maria, a vida corria-lhe sempre bem aos olhos dos outros, sempre sorridente, sempre a sobreviver aos embates e partidas da vida como se não houvesse mágoa. Uma pessoa normal que aos olhos de todos os outros era uma força da natureza. Talvez fosse mesmo! Talvez a sua natureza pragmática e pouco dada a dramas a fizesse marcar a diferença no que toca a ultrapassar problemas e desilusões. A Maria, a miúda já mulher e com responsabilidades a quem as vicissitudes parecem não fazer diferença. A Maria sempre preparada para um novo desafio, sempre a provar que quase tudo se ultrapassa. Boa disposição e um sorriso fácil fazem com que a sua vida pareça sempre mais simples que aos demais, se calhar até é, provavelmente tenta digerir em vez de absorver e isso fá-la continuar a sorrir.
Cruzei-me com a Maria, conversámos e percebemos que a máxima do saber viver é o segredo. A Maria tem aprendido a saber viver, tem como máxima acreditar que o melhor ainda está para vir. É uma crente no futuro. Sabe que não se vive do passado. Sabe que não pode mudar o mundo mas pode mudar a sua vida e canalizar as suas emoções de modo proveitoso. Sabe o que não quer, até porque o que quer pode mudar repentinamente. A Maria de vida recheada e sempre pronta a ajudar, a ouvir, a partilhar, também esta Maria tem os seus problemas. Também esta Maria tem frustrações, também ela se sente só, também ela sofre, também chora...esta é só mais uma das Marias deste mundo. Nos milhares de Marias a diferença reside no modo como encaram as situações, como se mostram ao mundo e essencialmente no modo como acreditam. Dias bons, dias menos bons e um projecto de vida, um caminho em busca de melhor, de realização, de sucesso, de felicidade. Sem sair do trilho lá vão as Marias em busca da meta. Umas hão-de lá chegar , outras nem por isso. Também eu sou uma destas Marias, em comum o sorriso e as frustrações. Há por aqui alguns paralelismos. Até na questão do amor, há karmas que se repetem. Há Marias com histórias menos fáceis, há Marias que por mais que lutem mais parece que não conseguem lutar com o invisível e acabam a perder, outras não. Há histórias começadas por "era uma vez" que facilmente poderiam começar por "uma outra vez"....
Desistir? Jamais, eu sou uma crente e uma Maria que vai chegar à meta. Se têm dúvidas convido-vos a estarem na meta à minha espera....até já!

Porque algo me lembrou isto.....

Mudar...

Um dia, outro e depois outro. Dias, semanas, meses, tantas vezes anos....
O que muda?
Nada, ou tudo!
Muda o que quisermos que mude, muda o que tivermos coragem de mudar, muda o que outrora nos incomodou, muda a nossa vontade, muda tudo.
Ou podemos nos acomodar e não mudar nada. Podemos viver de velhos hábitos, de passado, podemos deixar-nos invadir pela nostalgia do que um dia foi e no outro deixou de ser. Podemos não mudar, não sentir, não viver. Mais uma escolha sempre nossa, mais uma decisão difícil de tomar. Mais uma decisão que pode fazer toda a diferença. Num mundo onde tudo muda a grande velocidade eu quero mudar, quero crescer, quero que faça sentido, quero ter a capacidade de me deixar mudar. Não quero jamais ficar presa ao que outrora fez sentido, quero viver e saborear na convicção de que mudar pode ser o ponto de partida. Mudo o que tiver de mudar, tentarei nunca mudar os meus valores. Se alguma vez me disserem: estás diferente, mudaste. Quero responder que sim, que mudei para melhor e que sem mudanças jamais mudaria o que quer que fosse. Não mudei, se calhar evolui...

domingo, 19 de julho de 2009

Back....


Estou de volta....
De volta de umas férias no paraíso onde pela primeira vez na vida me consegui desligar por completo do meu quotidiano. Sem Internet, quase sem telefone e a saborear cada momento. Posso dizer que naquele paraíso fui particularmente feliz.
Por nada em especial e por tudo. Porque o tempo quase parou mas voou.
Porque a companhia faz a diferença e porque a forma como saboreamos os momentos também. Uma semana recheada de calma e boa disposição com muito sol e água quente. Valeu por muito, muito mesmo e posso dizer que por mim valeu para me conhecer muito melhor e ter a certeza que alguns valores que tenho por máxima são cumpridos à risca. A consciência plena de que nem nos momentos em que me desligo da realidade me esqueço do mais importante. Em tudo se aprende e esta viagem ensinou-me muito mais do que possam imaginar. Isso deixa-me particularmente feliz.
Naquele paraíso onde o céu e a terra quase parecem juntar-se deixe-me levar
pelas águas quentes que me aqueceram a alma quando precisei. Vi chuvas a dissiparem-se em tão grande velocidade que decidi toma-las como exemplo. Naquele sítio jamais será permitido não sorrir. Valeu perceber o poder de um raio de sol, que ora nos aquece a alma, ora nos arrefece qualquer réstia de mágoa. Aos que estiveram presentes quero deixar um enorme obrigado por todos os momentos. Até ao Pedro que me fez perceber o quanto uma cultura pode ser tão diferente, e não esqueço um pequeno "segredo" que me deixou no ar. No fundo com sol ou sem sol, com mar ou sem ele, em todos os cantos do mundo todos desejamos o mesmo: sermos felizes. E isso dependerá sempre de nós! Sempre!

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Férias

A todos os meus seguidores, quero dizer que vou ter imensas saudades de escrever na próxima semana. Vou de férias, merecidas por sinal. Vou banhar-me em águas quentes, beber uns mojitos e divertir-me muito. Concerteza não vou conseguir escrever, mas prometo voltar cheia de vontade. Obrigado e até breve!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Coisas da vida real...

Se não há acasos tudo tem um porquê ou uma motivação.
Nem sempre encontramos a explicação no primeiro momento. Quantas vezes precisamos de uma simples frase ou situação que nos dê a resposta. Quantas vezes já nos tentaram fazer ver e simplesmente não o fizemos por não estarmos preparados para isso. Por ser pouco confortável, por teimosia, por medo.
Há o que nos move e o que nos bloqueia, o que nos faz querer e não querer. Nem sempre é fácil perceber o que está debaixo dos nossos olhos, o que nos faz caminhar ou bloquear Hoje descobri isso mesmo, não foi fácil, mas é sempre vantajoso descobrir o que nos move. Mesmo quando não é fácil ter de admitir e absorver o facto. É a vida...e perceber coisas "difíceis" faz parte!

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Ilusion/desiluson

A realidade e a forma como a percepcionamos depende única e exclusivamente de nós e da predisposição para a absorvermos. A ilusão que transforma realidades em pura ficção dá-se por factores que nem nós muitas vezes percebemos. Mecanismos de defesa, medos, sonhos. Quantas vezes agarrados a uma ilusão perdemos parte da nossa vida, deixamos que a energia se consuma e chegamos ao fim com a dura realidade que sempre lá esteve e nos recusámos a ver. A realidade que tantas vezes parece de uma dureza extraordinária e que recusamos absorver é somente a soma de muitos medos e chega sempre. Quando finalmente recuperamos do choque acabamos muitas vezes a rir da ilusão em que vivemos. Bastava-nos um pouco de racionalidade, de bom senso, de inteligência e teríamos perdido muito menos tempo. A tão aclamada racionalidade que nos distingue dos animais é tão pouco usada em determinadas situações que acho que é justo dizer que somos uns verdadeiros animais, sem sentido perjurativo para o burro admito que há um em cada um de nós. Não estou para aqui a dizer que não é bom sonhar, criar ilusões ou ser irracional, tenho é cada vez mais a certeza que temos de ter cuidado com aquilo que sabemos de antemão que nos pode magoar. Há os riscos que valem a pena e os que estão condenados ao fracasso. Obviamente temos a capacidade de os ultrapassar, não temos muitas vezes é noção do tempo que perdemos e do que desperdiçámos. Mais uma vez é viver e aprender. Mas podemos sempre optar por aquilo em que realmente acreditamos, pelo que nos faz sorrir, pelo que vale a pena... essa é a nossa capacidade de adaptação e flexibilidade mental que bem usadas nos permitem ver outros caminhos e deixar o passado arrumado onde tem de ficar, no passado...life goes on!

terça-feira, 7 de julho de 2009

Porque sim...

Porque nem tudo precisa de ter um motivo, porque há coisas que valem pela simplicidade do que são, porque simplesmente não sei explicar, porque sim ,porque gosto, porque nem tudo tem um porquê ou uma explicação. Porque existem e isso basta, porque basta estarem presentes, porque fazem a diferença. Porque fazes a diferença...porque não sei que diferença é essa e nem interessa, é a diferença que fazem os que são importantes na nossa vida, e tu és! Porquê? Porque sim.....:)

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Juízo

Depois de muitas tormentas com os dentes percebi com o meu dentista que o melhor que por ali havia eram mesmo os sizos. Parece que os meus dentes do juízo, ao contrário da maioria dos mortais, eram o que de melhor existia. Até hoje! Hoje lasquei um desses preciosos dentes. Será que finalmente vou perder o juízo? Se calhar até dava jeito. É que às vezes é bom variar. A ver vamos....

Rotundas e burros...

Já não é a primeira vez que falo aqui sobre rotundas. Desta vez acrescentei um burro à história, também podia ter sido um camelo, mas já que estamos em fim de legislatura não quero que achem que me estou a pôr com o Mário Lino.
As já famosas rotundas são uma forma ainda recente e na moda de escoar trânsito. As regras continuam sem ser cumpridas, mas o pessoal já não se imagina sem elas. Noutros tempos seria impensável construirem-se estruturas redondas no meio das estradas. Compreende-se, foi a evolução, o crescimento do parque automóvel. Imaginem pôr um burro de palas nos olhos às voltas numa rotunda. Pobre animal, os burros são para andar em frente e as ditas palas permitem que se concentrem no caminho. Ai, as estradas realmente evoluíram bastante, nós é que não. Quantas vezes ficamos às voltas com determinada coisa e não nos permitimos olhar em redor todos os caminhos disponíveis, quantas vezes recusamos teimosamente tirar as palas, quantas? Pura tontearia de quem já devia ter percebido que sem vislumbrar horizontes pode dar voltas e mais voltas sem encontrar a saída. Uma volta e outra, uma volta que volta na volta, volta. Uma volta que por mais voltas que se dê não tem volta a dar-lhe. Há momentos tão circulares como rotundas. Há momentos onde se pergunta: "e o burro sou eu?" Quanto a mim tenho a resposta, depois de muita volta sem volta, eu já fui o burro. Felizmente percebi a tempo que tanta volta só poderia levar-me a ficar tonta e desorientada. Atirei as palas para longe, recusei andar para trás e sai na primeira à direita. Porquê? Nem eu sei, talvez porque era a saída mais próxima, e o desejo de viver era muito. Sobrevive-se entre cada volta, mas perde-se muito por teimosia. Ninguém aguenta andar às voltas tempo sem fim, para no final ir sempre parar a algum sítio por onde já passou. São assim as rotundas, as histórias circulares e alguns burros que por lá andam.....


E um dia chegou uma "new soul"

domingo, 5 de julho de 2009

Clones, gremlins e afins...

Clones?! Qual ovelha Dolly! Cada vez conheço melhor a ciência da clonagem. Incrível! Se não assistisse nem acreditava, mas a verdade é que há comportamentos que só consigo explicar por este processo científico. A formula é quase tão certa como 2+2=4! As reacções são as mesmas, comportamento X desencadeia reacção Y. Tornou-se tão previsível que tirou lugar à surpresa. Os humanos começam a perder pontos. Estes clones crescem, em número, tão rapidamente que mais parecem os velhinhos "gremlins" que não podiam apanhar água que se reproduziam! Perdoe-me o trabalho que a sociedade tem tido a criar todos estes clones tontos e egoístas, mas eu sou do século passado e prefiro os gremlins. São o que são e nem aquele ar estranho lhes tira a magia. Tou farta de clones cheios de estratégias auto promocionais e marketing enganoso. Clones que não têm a capacidade de sorrir com a felicidade dos outros. Que se enganam a si próprios, que usam estratégias puramente irracionais para atingirem determinado fim, que não se importam com quem está do outro lado, desde que satisfeitas as suas necessidades. É o egoísmo puro e duro e não há onde reclamar, no final não foi nenhum laboratório a criá-los, foi a sociedade, fomos nós...Não têm nenhuma marca que permita visualizar para além da aparência, tantas vezes lobos com pele de cordeiro. São aquilo a que chamo de clones de perfil psicológico. São reflexo do que menos bom trouxe a evolução, principalmente para eles, é que nunca alcançam a estabilidade que lhes permitiria serem felizes. Fazem falta uns "ghost busters" que lhes fizessem uma limpeza a tanto recalcamento e maldade. Até lá, espero uma chuvinha que faça com que os meus queridos "gremlins" se reproduzam em larga escala e animem estes planeta....

Não

Nunca percebi porque é que a maior parte das pessoas têm uma enorme dificuldade em dizer "Não". Utilizamos muitas vezes o "sim" com um grande sorriso e quando é preciso dar um "não" mais parece que vem algum imposto associado! O "sim" e o "´não" são tomadas de posição que se situam exactamente no mesmo patamar, o das decisões e da vontade. A nível de consequências é exactamente igual, basta que seja uma decisão honesta. Lido muito melhor com as consequências de um "não" do que com a falsidade de um pseudo "sim" daqueles que são só para agradar ou não parecer mal. Desculpem mas já dei para o peditório de frete.. Obviamente temos de ceder nalgumas situações, por bom senso, contudo em algumas outras a nossa vontade, ou aquilo que é melhor para nós, tem de prevalecer.
Hoje já tive de emitir um "não" bem sonoro. E não foi propriamente um daqueles que caiem bem. Caiu tão mal quanto o assunto que o provocou. Há pessoas que acham sempre que os outros têm de ouvir a sua vida e as suas sucessivas histórias de desfecho infeliz. São anos de histórias miseráveis que, no início, me pareciam quase azar e me faziam ouvir e dar atenção. Os anos passaram e as histórias sucederam-se. Há os que têm tendência para o drama, diria mais que têm como modo de vida "cavar o buraco" onde caiem constantemente. Perdi a paciência para alguém que nem sequer é amigo, que é simplesmente funcionário da mesma empresa. Perdi a paciência para a coitadinha que só o é por mérito próprio. Talvez não tenha culpa daquilo em que se tornou mas, na verdade, continua a cometer sempre os erros que a levam ao triste desfecho. Não tenho pena ou compaixão. Quando a burrice atinge determinados limites eu desisto. Hoje disse: "não quero ouvir, não quero saber". Simplesmente paciência tem limites e a minha chegou ao fim. Onde andará o amor próprio destas pessoas? Já tentei que o descobrisse, não resultou! Desisti e não quero saber de mais uma história igual em quase tudo. Não quero saber de algo que nunca vai mudar, não quer que me consuma a minha boa energia. É um direito que tenho, não vou poder ajudar, não sou profissional da área da saúde e pura e simplesmente não me pagam para ouvi-la. É o bom senso de dizer "não" a algo que não me faz bem. Depois deste "não" acho que ficou claro....Não, não , não quero saber! A verdade é que pela primeira vez se fez silêncio! Incomodativo? Nada disso, aquele "não", como que por magia, gerou um silêncio que foi música para os meus ouvidos....

sábado, 4 de julho de 2009

Fantasmas...

Hoje fiz a tentativa de vencer um medo. Posso dizer que está practicamente ultrapassado. É giro perceber que é tudo uma questão de mentalização, é o querer e a confiança de que somos capazes. Hoje foi um dia de vencedores! Mais alguém deu uma grande passada para ultrapassar o passado. Chamo-lhe: vitória do amor próprio e dá-me a certeza de que afinal em muitas coisas basta querer e acreditar. Enfrentar os nossos "fantasmas" é a prova de que vencer batalhas é uma forma de evolução, crescimento e sobrevivência. "Yes, we can"

Why? Why not?

Posso não ter a certeza se é certo ou errado. Nunca sabemos, é sempre o tempo que permite a resposta! Contudo sei que não tenho nada a perder, a verdade nunca trouxe más consequências. A diferença de tudo isto reside essencialmente na maturidade, é que se há alguns anos eu teria certamente problemas em assumir, hoje considero que há coisas que não podemos controlar e que não temos de nos envergonhar por isso. Fazem parte de viver, de saborear honestamente sem bloqueios o que nos vai na alma e no coração. Por isso, e só para rematar digo: why? Why not??

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Em breve a meta....

Tornou-se quase um hábito conhecer as pessoas que me são mais próximas quando estas estão menos bem. Variados motivos, situações tão semelhantes e sempre o mesmo sofrimento, sempre o bloqueio que os impede de caminhar, o sonho de ultrapassar e a inércia que tantas vezes se torna num hábito de quem se acomoda e encontra uma zona de conforto. Uns acomodaram-se, outros ultrapassaram e voltaram a sorrir, renasceram, cresceram e tornaram-se muito melhores...
Horas de conversa e cumplicidade, tempo de chamar a realidade e a razão. Tempo de acreditar que para a frente é o caminho e que todos já passámos por momentos semelhantes e ultrapassámos com a vantagem de retirar daí aprendizagem. Estive presente na vida de alguns de forma bastante activa quando precisaram, gosto de pensar que fui importante na evolução e nos sorrisos. Quantas vezes tive de ser dura, de por o dedo na ferida, de arriscar sem saber as consequencias, não creio que alguma vez o resultado tenha sido negativo. Algumas vezes pensei: será que isto é um karma, que não há gente que pura e simplesmente viva calmamente e sem problemas?! Claro que há, no fundo nenhum deles tinha um problema de maior, sobrevalorizaram emoções, tiveram dificuldade em ultrapassar rejeições, faltou-lhes a racionalidade dos que estão de fora para terem a capacidade de não fazerem tempestades em gotas de água. Esse foi o meu papel, sem achar que sei mais ou menos, sem pensar que posso salvar o que quer que seja. Ouvi muito, ouvi sempre até ao ponto de ter de intervir no sentido da razão. Lembrei-lhes sempre que o mais importante era o amor próprio, o motor que nos torna capazes de ultrapassar tudo.
Custa-me muito ver sofrer, mas tenho a certeza absoluta que é uma forma de aprendizagem e crescimento sem igual. É o que tem de ser e as coisas só têm a importancia que lhes atribuímos. Como humanos devíamos usar muito mais a flexibilidade mental que nos permite progredir, mas não somos perfeitos!
A ti, só para ti neste preciso momento: sabes aquilo que és, o que queres, o que não queres, o que tens para dar, a pessoa fantástica que és, o amor que tens dos que te rodeiam e tantas outras coisas, tantas....sabes a pessoa fantástica que és, que sempre foi determinada e cheia de objectivos. Espero mesmo que utilizes algo que abunda nessa cabeça: inteligência. Gosto muito de ti e só mesmo isso tem permitido explorar este assunto até à exautão. Sonho com o dia em que não haja necessidade de se falar de algo morto onde tudo já foi dito, analisado e concluído. Esse dia vai decerto chegar e é provavelmente ai que vou conhecer-te livre e de sorriso aberto. Continua a caminhada cuja meta é um sorriso aberto e honesto. Estarei lá para te dar um abraço e os parabéns por teres chegado, a nenhum lado em especial, à meta onde todos chegam. Sabes qual é a diferença?! É quem temos na meta à nossa espera depois de tão longo percurso, essa é a diferença....beijo!

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Todos e únicos...

Sou uma pessoa bastante tolerante, aceito que todos temos defeitos e respeito-os. Faço o melhor possível para perceber que todos somos diferentes e é essa diferença que nos torna únicos. Contudo há algo a que não sei como reagir, não tolero oscilações bruscas de humor sem motivo aparente. Não entendo o gosto pela "vitimização". Não sei reagir a isso por mais tempo que passe. Gosto de situações claras, daquelas em que se quer ou não se quer.
Talvez seja uma fragilidade minha não conseguir tolerar estas oscilações. Não me interessa. Se todos temos defeitos este é um dos meus. Limito-me a questionar uma única vez por preocupação e para evitar mal entendidos. Se não obtiver resposta não volto lá. Cada um sabe de si, cada um saberá o porquê. Não gosto de assuntos pendentes, não gosto do que fica por dizer e que quando é dito já é tarde para que faça sentido ou para que caia em esquecimento. Somos todos diferentes, há o que nos une e o que nos separe, há o certo e o errado, há que saber que todos temos defeitos, e que com alguns não conseguimos conviver....e por vezes devia haver a palavra desculpa. Errar todos erramos, temos dias melhores e dias piores, não temos é o direito de depositar as nossas frustrações nos ombros dos outros, isso jamais será um método.
Se faço é porque quero e tenho capacidade para assumir as consequências, nunca tenho medo de me justificar e a diferença é provavelmente essa! Não fiquei zangada, fiquei triste...

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Hábitos...

Quando os hábitos são muito bons, prazeirosos, sentimos intensamente a sua falta! É aquela frase fantástica que muito uso: "há vidas piores mas não prestam"!
Hoje sinto....

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Momento...

"Escondes-te no tempo
porque o tempo tem asas"


Porque a vida é recheada de surpresas e momentos que lhe dão sentido....

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Enigma ou enigmas! Desafios!

LOVE, DEVOTION, FEELING,EMOTION
...Just believe in destiny....

terça-feira, 23 de junho de 2009

Factos...

Não me canso de repetir que "contra factos não há argumentos".
Por mais que muitas vezes as emoções não deixem ver aquilo que é a verdade nua e crua, temos de aprender a pôr de lado alguma emoção e ver aquilo que nem sempre queremos. Pior do que qualquer realidade é viver numa ilusão que consome energia e não deixa avançar. A vida e a história não são estáticas. Ter a capacidade de avançar e vencer os nossos medos é a base mais sólida que podemos ter no nosso projecto de vida. Nem sempre é como sonhámos, nem sempre é fácil superar. Mas como alguém muito especial me disse um dia: "ou vergamos a dor ou deixa-mos que ela nos vergue". E olhem que sabia muito bem do que falava, viveu uma das maiores dores que se pode ter, senão a maior. É sempre uma escolha, depende de nós continuarmos o caminho da realidade e permitir mo-nos viver e ultrapassar. A vida é cheia de patamares, talvez até exista um destino, mas com toda a certeza serão as nossas decisões e a nossa força que ditarão o resultado final. Mas como no início do texto disse: "contra factos não há argumentos", e a realidade é só uma, nem sempre a que idealizamos, essa é a nossa. Talvez exista uma realidade mais universal, a dos factos, onde as emoções contam menos, onde nos é dada a racionalidade que nos permite muitas vezes escolher o que realmente nos faz melhor, o que é realmente importante...factos reais!!

domingo, 21 de junho de 2009

Meias e peugas...

Todos nós temos o hábito de prestar atenção a alguns pormenores. Sou muito observadora, reparo muito em gestos e atitudes. Pormenores físicos nem tanto, embora confesse que reparo em mãos e bocas. Depois há coisas engraçadas e que devem ser genéticas. Quando um destes dias me ri de ouvir a minha prima a dizer que determinado rapaz era bem engraçado, não fosse os sapatos de velho que calça usualmente, lembrei-me que eu costumo reparar em meias. Estranho? Nem por isso. Na verdade acho que umas meias podem dar cabo de toda uma imagem. É frequente ver pessoas impecavelmente bem vestidas que quando cruzam a perna denunciam a falta de cuidado com o que está semi escondido. Acho um horror que só se trate do que é mais visível. Vamos lá ter cuidadinho com a peúga. Sei que estamos em crise, mas já há sítios onde se vendem meias baratinhas. Isto de calçar a meia semi gasta que já foi à máquina 678 vezes não dá com nada.....

sábado, 20 de junho de 2009

Coisas da lua

A lua tão longe e tão perto!
Já passámos horas juntas, costumo até dizer que passo por lá muitas horas. Há até alguma cumplicidade entre nós depois de tantas horas juntas. Diria que ela tem algum poder sobre mim. Por vezes as fases da lua influenciam-me, o que não é de estranhar visto sermos essencialmente constituídos de água e ser a lua a responsável pelas marés. Não mudo propriamente de "maré" cada vez que muda a lua, mas a verdade é que por exemplo lua cheia me desperta os sentidos...
E toda esta história sobre a lua, onde havia tanto para dizer, é posta aqui por um motivo muito especial: esta semana tive o prazer de conhecer o último homem que pisou a lua. Um senhor extraordinário com um humor fantástico que me perguntou se eu gostava de ir à lua. Desiludi-o com um não. Na verdade este é um amor platónico, uma paixão que nunca vai acabar. Um flirt recheado de sensações que só existem por saber que de tão longe que está nunca lhe vou tocar. Uma empatia que nem a distância quebra e onde o desconhecido é o mistério que alimenta. Chegar lá quebraria com toda a certeza esta relação especial. Esta é a minha paixão platónica que procuro todas as noites....

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Diferenças...

Qualquer comentário à situação pecaria por pouco....quantas vezes o silêncio faz a diferença!
A diferença que tanto aprecio e julguei estar ao alcance de outros. Puro engano! Há os que nos surpreendem pela positiva e os que nos surpreendem pela surpresa da superficialidade, quantas vezes tão bem escondida...
No fim da história uma única certeza: jamais faria o mesmo. E isto é uma certeza!

Porque gosto tanto...


...MOMENTOS MUITO FELIZES...

Do it...

"When it can´t be done,
do it.If don´t do it,
it doesn´t exist."

quarta-feira, 17 de junho de 2009

UPS...

"Pulga atrás da orelha"
"Feeling"
"Dedo quer adivinha"

...e mais uma vez estava certa...

O número que não importa....

Ontem perguntaram-me o que é que eu achava do passar dos anos, falava-se de idade. Quase sempre me refiro a esta como um número que não representa necessariamente o mesmo para cada um. Talvez porque o tempo é o que fazemos com ele e todos o aproveitamos e vivemos de forma diferente! Quanto a mim o passar do tempo só me tem feito bem. Jamais trocaria a maturidade de hoje por menos uns anos. Hoje sei o que não quero, luto pelo que quero, distingo o essencial do acessório, tenho a capacidade de me aceitar como sou e, acima de tudo, sou muito melhor pessoa....Se isto é resultado do tempo, e do que tenho feito com ele, venham mais anos, venham rugas, venha a vida que me falta viver, venham momentos que irão fazer parte da minha história. A história de quem se sente bem com um numero num determinado tempo e anseia por novos números e ensinamentos....

Boa noite

Isto hoje está difícil de ir para a cama...ui se está!!! Mas parece que é agora! Odeio a sensação de ter "a pulga atrás da orelha"!
É hora de dizer boa noite.
É agora! Aguardam-se bons sonhos e um sorridente acordar...até logo!

Verdadeiro ou falso..

Vemos o que queremos, realizamos filmes com enorme facilidade.Dependendo do nosso estado de espírito, dos nossos objectivos, da importância que determinado assunto tem para nós!
Revelamos os nossos mais profundos medos e inseguranças nos filmes que imaginamos só para nós, na nossa cabeça. Uma simples imagem, uma pequena frase basta para que se faça uma longa metragem, daquelas que na maior parte das vezes só fazem sentido para nós e que às vezes são potenciados por outros para nos testar. Quantas vezes nos magoamos porque pura e simplesmente resolvemos realizar filmes em vez de confrontarmos a realidade. Este parece ser um talento inato comum à maioria dos mortais.
Falo disto após perceber que o fenómeno que outrora se reservava a um grupo mais restrito e familiar, agora tomou proporções consideráveis com a criação da redes sociais. Hoje a vida da maior parte está exposta com um simples click. A imaginação é diariamente posta à prova com a visita de perfis. As conversas crescem: já viste as fotos de X agarrado a Y?! Viste o comentário que A deixou a B?! Enfim, é assim que se fazem filmes dignos de uma estatueta dourada. Tem algum mérito, pelo menos a imaginação anda em alta e estimula-se o cérebro. Porém, grande parte das conclusões são fruto de uma imaginação muito fértil e andam bem longe da realidade. É mais ou menos como os textos que vou publicando por aqui, na maior parte dos casos não são aquilo que o leitor imagina. Outras tantas serão. Para alguns fará sentido, para outros serão desprovidos de nexo. Mas a magia é mesmo essa, e somos sempre livres de sonhar...

Resposta ou não...

Tens razão, ou talvez não! Honestamente não tenho a resposta, é aquela parte onde te respondo: eu também não sei tudo!"
Gostava muito de ter a resposta, mesmo muito, mas preciso de a procurar, de perceber, de interiorizar. Podia obtê-la se não tivesse medo de perder algo que muito prezo, mas prefiro aguardar pacientemente. Um dia chegará e vamos perceber de que lado estava a razão. Não me apetece fugir, não me apetece jogar, não se justifica. Quando há valores mais altos esses prevalecem.
Se bem me conheço há batalhas que só me sugam energia. Dispenso! Sou paciente e sei que vou ver as duvidas dissiparem-se. Não sei para que lado tombará a resposta, mas o importante é mesmo que chegue. Até lá amiga....

terça-feira, 16 de junho de 2009

Always the same..

Mais uma vez...
Questiono quantas mais...
Por incrível que pareça há situações que se repetem sem que nada faça para que aconteçam. Nada! Destino? Karma? Não faço ideia. Acontece... E agora?
Agora é tempo de reflectir, tempo de pensar que provavelmente é só um momento, que o tempo resolve. Medir prós e contras e perceber com o passado que muitas vezes é melhor não arriscar. Costumo escolher sempre o caminho mais difícil, gosto de desafios! Mas tenho consciência que há desafios que não posso vencer. Resumindo e concluindo: it´s always the same but life goes on....
Um dia o vento mudará, um dia soprará de feição. Até lá equilibro-me frente a ventos que ora sopram, ora param, mas que felizmente não me derrubam...espero que os ventos de mudança me acompanhem e contrariem esta estranha partida do destino que me deixa sempre na mesma posição...

Saudades do futuro...

Hoje no já habitual café nocturno falava-se de afectos e situações de passado. Um clássico, portanto! Também eu falei de mim e do passado, de alguns momentos bons. Foi bom recordar e engraçado perceber que não tenho saudades do passado. Guardo os momentos bons mas não vivo com saudosismo. Está tudo bem arrumadinho, não há magoa, não há nada em especial, eu sou assim mesmo, tenho esta estranha capacidade de acreditar no futuro! Porém, lembrei-me de algumas sensações que me deixam a pensar nas saudades que tenho do futuro. Apetece-me viver, saborear, tocar, sentir...apetece-me....
São assim as saudades do futuro e a expectativa de que ele chegará quando eu menos esperar!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Back to reality...

De volta! Depois de umas férias perfeitas, onde não consigo vislumbrar nada de menos bom, estou de volta...
Alguma nostalgia na partida é compensada pelo facto de saber que desde que haja vontade podemos sempre repetir! Foram dias repletos de situações caricatas e boa disposição, tão marcantes que nos fizeram acrescentar umas novas palavras ao dicionário. Um novo dialecto, só nosso, nasceu nesta viagem. Não tenho palavras para descrever o quanto foi bom, o quanto me diverti, o quanto "amei" estes dias. A grande diferença residiu na descontracção e na vossa presença, porque realmente são as pessoas que fazem a diferença, nunca o clima ou o local. Obrigado por estes dias maravilhosos, pela cumplicidade, pela amizade. Inesquecível é a palavra! A prova foi chegar a casa, que é sempre uma coisa que me dá prazer depois de um tempo de férias, e sentir que tinha saudades vossas. Que aquela rotina me sabia tão bem, foram dias diferentes e um regresso diferente. Adoro-vos....

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Because change happens....

É um exercício fascinante observar o comportamento humano, somos realmente do mais estranho que existe à face da terra. Isso dá-nos um toque especial, ora pela racionalidade, ora pela falta dela.
A magia que é a nossa resposta a situações que tantas vezes achamos estar sob controlo. O descontrolo de lidar com o inesperado, a capacidade de nos superarmos, de reinventar e construir. Dentro de cada um de nós a luta entre os valores, as certezas e a emoção que tantas vezes nos leva a ir pelo caminho mais difícil. A história que vamos construindo num caminho cheio de obstáculos, a forma como os superamos e continuamos a viagem determina a nossa capacidade de crescer. E lá vamos nós, tantas vezes certos, outras tantas errados!
Cada um recheado de surpresas, de emoções, de vida muito própria, tantas vezes impossível de decifrar. Somos nós, únicos, misteriosos e sempre prontos a surpreender, quantas vezes a nós mesmos....
Hoje, eu que sempre vivi cheia de certezas, sei que o mistério reside na incerteza e que o caminho é para se saborear nos bons e maus momentos....sigo na incerteza, com a certeza absoluta de que ser FELIZ é o que realmente importa. Sigo viagem e, hoje, se tivesse de responder a uma pergunta que há pouco tempo me fizeram duas amigas, confesso que a certeza de outrora se tornou numa incerteza! É a nossa capacidade de virar tudo ao contrário, contra todas as certezas de outrora. "E esta hein?!"
Life goes on...